21 de novembro de 2007

Analisando: Último Romance

Tenho o prazer de apresentá-los o Analisando. Proposta simples e básica: analisar letras de músicas ou qualquer atividade correspondente a tal. Lembrando que é uma análise pessoal, ou seja, pode ser que a interpretação não corresponda ao que, de fato, o compositor ou autor transpõe em suas linhas. É simples, primeiro a letra da música, depois a interpretação.

Começo pela música 'Último Romance' da banda carioca Los Hermanos (http://www.loshermanos.com.br/).


Último Romance

Los Hermanos

Composição: Rodrigo Amarante

Eu encontrei-a quando não quis
Mais procurar o meu amor
E quanto levou foi pra eu merecer
Antes de um mês
Eu já não sei
E até quem me vê
Lendo jornal
Na fila do pão
Sabe que eu te encontrei
E ninguém dirá
Que é tarde demais
Que é tão diferente assim
Do nosso amor
A gente é quem sabe, pequena
Ah vai!
Me diz o que é o sufoco
Que eu te mostro alguém
A fim de te acompanhar
E se o caso for de ir à praia
Eu levo essa casa numa sacola
Eu encontrei-a e quis duvidar
Tanto clichê
Deve não ser
Você me falou
Pra eu não me preocupar
Ter fé e ver coragem no amor
E só de te ver
Eu penso em trocar
A minha TV num jeito de te levar
A qualquer lugar que você queira
E ir onde o vento for
Que pra nós dois
Sair de casa já é se aventurar
Ah vai!
Me diz o que é o sossego
Que eu te mostro alguém
A fim de te acompanhar
E se o tempo for te levar
Eu sigo essa hora
Pego carona
Pra te acompanhar

Bem, por onde começar? Seria prudente explicar o título ou a letra primeiro? Prefiro a letra, neste caso, primeiro.

Lá vamos nós...

Imagine a cena:
Um velhote de cabelos brancos numa pracinha lembrando seu passado, vendo como os jovens se divertem hoje - Ah meus bailes. Analisando (ele) todos os dias passados. Triste o velhinho sozinho no mundo.
Neste mesmo dia sem esperança finta ao seu lado uma jovem velhinha - e que velhinha! Quando a viu seu coração recauchutado por algumas Pontes de Safena quase parou, sua pressão sanguínea, controlada por remédios diários, disparou.
O encontro perfeito. Levou o tempo que eles mereceram. E o velhinho, com cara de adolescente apaixonado na fila do pão, não escondia sua felicidade. O comentário era "nunca é tarde. Esse amor é diferente?". Mas o velhinho sempre dizia "a gente é quem sabe minha veia".
O velhinho é um verdadeiro companheiro. Não há sufoco para ele. Aconteça o que acontecer, ele sempre vai estar ao lado da sua velhinha. Ele venderia até sua coleção de LPs antigos de Sinatra e sua televisão Philips de madeira para fazer uma viagem eterna.
Mas você pensa que foi fácil? O velhinho demorou para acreditar, mas sua velhinha sempre dizia "tenha fé no amor meu veio". Viveram, e viveram como ninguém jamais havia vivido.
O velhinho prometeu a ela que se o tempo a levasse, desse a ela o descanso eterno, ele pegaria carona na nova jornada.
E eles morreram felizes para sempre.

21 Comentários:

Blogger Leticia Prado disse...

Égua, eu amei isso...
Esse teu texto ta mil !!!!
Parabens !!!

20/08/2008 23:08  
Anonymous Anônimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

20/11/2009 02:13  
Blogger AmazonaCS disse...

acs

17/04/2010 02:48  
Blogger AmazonaCS disse...

nossa, q bacana.. adoro a musica e adorei a sua analise! abraços...

17/04/2010 02:48  
Blogger -- disse...

Oi!! Adorei a análise. Só discordo de uma coisa... esse negócio de se tratar de um velhinho e uma velhinha. Na música quando ele fala que "ninguém dirá que é tarde demais", acho que ele fala a realidade, o que as pessoas vêem e o que de fato acontece.
Mas quando se trata do amor que ele sentiu por ela quando a viu, e de toda a desesperança que ele tinha no amor antes, pra ele parece que levou muito tempo, e isso faz com que pareça se tratar de um velhinho.
Ele cria toda uma história em cima de um amor, pq afinal ELE ACHOU SEU AMOR. Mas no fundo trata-se de um amor comum o que percebe-se quando ele fala que "(ninguém dirá que é)...tão diferente assim" e logo depois "do nosso amor a gente é quem sabe, pequena". Como quem quer dizer "ah, não importa o que dizem, pra mim parece que levou uma eternidade pra te conhecer, o nosso amor nada tem de comum, e só vc e eu sabemos do que acontece nele".
Mas de resto concordo em tudo.
Essa música é muito linda...

29/09/2010 23:16  
Blogger Amanda Vitória disse...

Vi em uma revista de música que essa música trata da história de um Senhor
que se apaixona por uma jovem, uma pessoa muito mais nova que ele. No começo, parece se tratar de um tipo estranho de pedofilia mas, ao longo da história o autor nos mostra que é um tipo de amor platônico, sem nem uma intenção física... Não tenho certeza mas, parece que a história é um pouco mais complexa do que a gente imagina. por isso existe aquele trecho onde ele diz que se precisar ele "segue essa hora, pega carona, só para acompanha-la". ...

28/11/2010 12:31  
Blogger Marcelo disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

08/06/2011 12:57  
Blogger Marcelo disse...

Ultimo romance - pelo título é possível identificar que a história se trata do romance na terceira idade. Adorei a análise!
Nunca é tarde para viver um grande amor rsrs

08/06/2011 12:58  
Blogger joao disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

10/06/2011 15:23  
Blogger joao disse...

interpretação está bem parecida com a que eu tinha porém tenho duvidas sobre a idade da mulher. No trecho "e ninguem dira que e tarde de mais que é tao diferente assim" acho que essa diferença é entre as idades.O que também justificaria o apelido de pequena assim a mulher seria mais nova que o senhor.Mas o trecho "e pra nos dois sair de casa ja é se aventurar" demonstra que dificilmente eles saem de casa devido provavelmente ao medo ou limitaçoes fisicas tipicas de pessoas de idade(incluindo a mulher) e no trecho "e se o tempo for te levar eu sigo essa onda e pego carona pra te acompanhar" me pareçe que essa preocupação com a morte é tipica de quem ja está em uma idade avançada, no caso a mulher seria velha tambem.Alguem pode me explicar?

10/06/2011 15:25  
Blogger joao disse...

interpretação está bem parecida com a que eu tinha porém tenho duvidas sobre a idade da mulher. No trecho "e ninguem dira que e tarde de mais que é tao diferente assim" acho que essa diferença é entre as idades.O que também justificaria o apelido de pequena assim a mulher seria mais nova que o senhor.Mas o trecho "e pra nos dois sair de casa ja é se aventurar" demonstra que dificilmente eles saem de casa devido provavelmente ao medo ou limitaçoes fisicas tipicas de pessoas de idade(incluindo a mulher) e no trecho "e se o tempo for te levar eu sigo essa onda e pego carona pra te acompanhar" me pareçe que essa preocupação com a morte é tipica de quem ja está em uma idade avançada, no caso a mulher seria velha tambem.Alguem pode me explicar?

10/06/2011 15:25  
Blogger joao disse...

A interpretação está bem parecida com a que eu tinha porém tenho duvidas sobre a idade da mulher. No trecho "e ninguem dira que e tarde de mais que é tao diferente assim" acho que essa diferença é entre as idades.O que também justificaria o apelido de pequena assim a mulher seria mais nova que o senhor.Mas o trecho "e pra nos dois sair de casa ja é se aventurar" demonstra que dificilmente eles saem de casa devido provavelmente ao medo ou limitaçoes fisicas tipicas de pessoas de idade(incluindo a mulher) e no trecho "e se o tempo for te levar eu sigo essa onda e pego carona pra te acompanhar" me pareçe que essa preocupação com a morte é tipica de quem ja está em uma idade avançada, no caso a mulher seria velha tambem.Alguem pode me explicar?

10/06/2011 15:26  
Blogger sarynhagds disse...

No trecho "e ninguem dira que e tarde de mais que é tao diferente assim"...na minha opinião,não quer dizer q ela mais nova,seria contraditório com tda a musik,só o fato dos velhinho terem se conhecido no 'fim' da vida e viverem um grande amor, já foge do estereótipo,por isso se torna diferente!!!

14/06/2011 00:45  
Blogger Fernanda Juliete disse...

Amei seu texto..

é bem parecido com a história real mesmo!

Eram dois velhinhos,
qe já se conheceram com uma idade avançada..
Eles se viam na padaria, por isso tem a parte da fila do pão.
Eles alugaram um apartamento para se ver, pois as familias eram contra este namoro, diziam qe era tarde demais..

Mas eles se encontravam no apartamento, qe era a 'casa' deles qe fala no trecho 'eu levo essa casa numa sacola'..

Muito bonita a história..
E a música é perfeita
*-*

10/11/2011 08:47  
Blogger fofocaVargas Romulo disse...

O cara acha a ela no Sl, ahi ve que ela esta sufrida por o marido, ele comença a fofocar, ela deixa o marido termina com a familia, eles fican namorando no mundo virtual, a distançia es muita mais ele fala e fala e fala, ela triste acredita na merda que ele fala, mais no momento de concreta fodeu, ela fodeou fico sem marido e sem familia, o marido de ela fico sem a mulher e sem a filha, e o vagabundo arrumou namorada e faz a vida de ele

05/06/2012 06:51  
Blogger Bruno RED & Antônio RED disse...

Muito show!!!

06/07/2012 00:13  
Blogger esquerdalight.blogspot.com disse...

Legal a interpretação!

09/01/2013 10:59  
Blogger Liz disse...

Eu amo essa música.. desde que a escutei pela primeira vez me levou a crer que seria um casal mais de idade, idoso por assim de dizer.. mas com algumas peculiaridades: o ultimo romance seria, na verdade, um resgate de um primeiro amor, sei la... um amor que ficou atrás e agora eles se reecontraram.. "antes um mês, eu já não sei..." esse um mês, para mim, é só uma metáfora, de toda uma vida que levou para eles ficarem juntos.. e daí, a partir da letra, uma série de fatos podem ser colocados nessa "jornada" que foi até se encontrarem.. O amor que eles acreditavam existir que era lá atras, ele ja havia desistido de procurar.. a vida deu o entendimento necessário aos dois (quanto levou foi pra merecer) para que se reencontrassem e curtissem... Daí o porque "e ninguém dirá que é tarde demais, que é, tão diferente assim..." e pequena era o nome que ele a chamava.. ;D
E por aí vai.. sufoco é o momento que eles podem ter passado ou estarem passando...
Só sei que acho essa música linda.. foi com ela que eu e meu esposo dançamos nossa primeira dança no casamento...

29/01/2013 19:27  
Blogger Drielly Rodrigues disse...

Linda interpretação..
Enquanto lia, me vinha à mente as cenas do filme Up!, que é tão lindo quanto :)

05/06/2013 03:20  
Blogger Drielly Rodrigues disse...

Linda interpretação..
Enquanto lia, me vinha à mente as cenas do filme Up!, que é tão lindo quanto :)

05/06/2013 03:22  
Blogger Fernanda Pacheco disse...

Sua interpretação ficou muito divertida, contudo o tema principal da música consiste na discriminação relacionada a relacionamento de pessoas NOVAS com mais VELHAS.

"Sabe que eu te encontrei
E ninguém dirá
QUE É TARDE DEMAIS(a crença que pessoas mais velhas não podem se apaixonar)
QUE É TÃO DIFERENTE ASSIM (discriminação etária existente na sociedade)

Logo no início dá pra saber que uma das pessoas é do sexo femnino.

"Eu ENCONTREI-A quando não quis"
A gente é quem sabe, PEQUENA( ele remete a uma jovem)"

Porém a outra pessoa não fica esclarecida. Pois poderia se tratar de um casal homossexual.

Mas no trecho:
"E até quem me vê/Lendo jornal/Na fila do pão/Sabe que eu te encontrei"
Achamos a resposta, uma vez que culturamente quem possui esse hábito são os homens a partir dos 40 anos (sem generalizar, claro).


O tema secundário, séria o receio de viver essa relação em:
Ele reconhece o receio que ela tem de enfrentar a tal discriminação.
"Ah vai!/Me diz o que é o sufoco/Que eu te mostro alguém/A fim de te acompanhar

Por isso, ele demonstra disposto a passar pelas barreiras (sufoco) e protegê-la,fazê-la sentir confortável caso eles enfrentem com essa discriminação fora da casa(na praia, no caso), da segurança e privacidade deles:
"E se o caso for de ir à praia
Eu levo essa casa numa sacola"

A terceira ideia consiste na surpresa do próprio eu-lírico
sobre ele ter reencontrado o amor depois de uma certa idade, pois ele supostamente estava descrente disso:
"Eu encontrei-a e quis duvidar/Tanto clichê/Deve não ser"

Ela dá esperança a ele:
"Você me falou/Pra eu não me preocupar/Ter fé e ver coragem no amor"

Na quarta ideia, ele demostra total disposição de viver esse amor no sentido de mudar sua rotina comum a pessoas de mais idade (ver TV) para uma a que os jovens da faixa etária dela levam(de festa, na rua, em bares, cinema).
"Eu penso em trocar/A minha TV num jeito de te levar/A qualquer lugar que você queira/E ir onde o vento for/Que pra nós dois/
/Sair de casa já é se aventurar"

No final, ele termina dizendo que ele de qualquer jeito que estar do lado dela e fará tudo para isso.

"Ah, vai me diz o que é o sossego/Que eu te mostro alguém/A fim de te acompanhar/E se o tempo for te levar/Eu sigo essa hora
Pego carona/Pra te acompanhar"

25/06/2013 23:06  

Postar um comentário

<< Página inicial